Carregando..
Compass Minerals
+55 (11) 3016-9600 / 0800 702 5656   Idioma Português Português  Idioma Inglês English  Idioma Inglês Español

LOGIN     |     CADASTRE-SE


Imprensa
  • Fábrica Produquímica
  • Fábrica Produquímica
  • Fábrica Produquímica

A importância da suplementação mineral

28.01.2014

Gustavo Rodrigues Alves, Zootecnista
Coordenador Técnico de Nutrição Animal, Produquímica
gustavo.alves@produquimica.com.br


Uma das mais importantes limitações nutricionais para ruminantes nos trópicos é a deficiência mineral. Quando se trata de bovinos em pastejo, estes podem apresentar deficiência de diversos destes elementos. Isto ocorre, pois a concentração de minerais no pasto, normalmente, é bem inferior à exigência diária dos bovinos. O conteúdo mineral encontrado nas principais espécies forrageiras tropicais depende de fatores, como solo, clima, espécie forrageira e nível de adubação pastagem, contudo, dificilmente iremos encontrar um pasto capaz de suprir 100% da exigência mineral de um animal produtivo.

Análises forrageiras realizadas pela Embrapa mostram que os minerais mais deficientes em nossas pastagens são, em ordem crescente, sódio, fósforo, magnésio, enxofre, zinco, cobre, cobalto, iodo selênio e manganês, sendo que o potássio e ferro normalmente suprem a exigência animal.

A exigência mineral de um animal é diretamente correlacionada com o nível de produtividade da fazenda, ou seja, maiores taxas de crescimento ou maior produção de leite exigem, também, um maior aporte mineral. Nos tempo de hoje, com o avanço do melhoramento genético e a grande pressão sofrida pela pecuária no que diz respeito à produtividade, a suplementação mineral merece uma atenção especial.

Como o grupo de minerais é composto por uma série de elementos e que cada elemento tem uma ação diferente dentro do organismo de um ruminante, a carência deste grupo não é específica e pode ser facilmente confundida com carência de outros nutrientes (proteína e energia, por exemplo) ou problemas sanitários (doenças). Entretanto, algumas caraterísticas podem ser sinalizadoras dessa deficiência:

     - Apetite depravo: os animais apresentam consumo irregular de elementos não comestíveis, como terra,
       casca de árvores, panos, sacarias e plásticos, ou apresentam o hábito de se lamberem ao longo do dia;

     - Redução de apetite: independentemente da qualidade da forrageira, os animais não mostram interesse
       pelo capim, resultando em um vazio sempre visível (afundado);

     - Aspecto fraco: animais com dorso arqueado, magros, com pelo arrepiado e sem brilho, podendo
       apresentar dificuldade de locomoção;

     - Queda de índices zootécnicos: por não estarem aptos a expressar todo seu potencial, os animais
       podem apresentem crescimento retardado, baixo ganho de peso, queda na produção de leite,
       dificuldade de expressar o cio, baixa fertilidade, abortos espontâneos, dentre outros;

     - Doenças: o sistema imunológico do animal é afetado, deixando-o mais susceptível
        a doenças infectocontagiosas.

Uma vez que a fertilização das pastagens através de compostos minerais, com o objetivo de aumentar a concentração destes elementos na forrageira para suprir a demanda animal, não é viável, a adequação do balanço mineral de um bovino deve ser feita, via de regra, por meio dos diferentes sistemas de suplementação via oral.

Existe hoje no mercado uma grande variedade de misturas minerais que podem atender muito bem os diversos sistemas de produção encontrados no Brasil. Vale a pena ressaltar que cada propriedade tem suas particularidades, seja de solo, clima, manejo, adubação, característica dos animais ou mesmo da vontade de seu proprietário. Logo, não existe um suplemento mineral que irá atender perfeitamente a demanda de todas estas situações. A opção de qual suplemento mineral utilizar deve ser feita por um técnico, após uma visita in loco.

A qualidade de um suplemento mineral pode variar bastante de acordo com o perfil da empresa que o vende. Fatores como qualidade da mistura, disponibilidade biológica das fontes dos minerais (macros e micros), certificações, suporte técnico oferecido e até prazo de entrega devem ser mensurados para esta tomada de decisão.

Após a decisão do perfil de produto a ser adquirido, alguns fatores são fundamentais para um bom desenvolvimento animal, afinal, apenas a empresa e os níveis de garantia da mistura mineral não geram resultados a campo. O resultado é diretamente relacionado à quantidade de cada mineral ingerida pelos animais, ou seja, nível de garantia X consumo do suplemento.

Abaixo segue um descritivo dos principais problemas encontrados nos suplementos minerais comercializados no Brasil:

     - Quantidade / Qualidade dos elementos contidos no suplemento: é preciso ter em mente que alguns produtos
        comerciais não atendem a exigência dos animais em algumas regiões do país devido aos seus
        níveis de garantia e, mais do que isto, algumas misturas podem apresentar em sua formulação
        matérias-primas não absorvíveis por um ruminante (principalmente no que diz respeito aos microminerais).

     - Concentração de Cloreto de Sódio: O sal branco é um dos elementos mais importantes dentro de um suplemento
        mineral, graças ao fato de ser o elemento responsável por estimular e, ao mesmo tempo,
        restringir o consumo do suplemento. Devemos levar em consideração que um bovino adulto,
        adaptado, consume no máximo 30 – 35 gramas de sal branco / dia. Esta é uma baliza importante para se estimar
        o consumo do suplemento, bem como a ingestão diária de cada um dos minerais ali encontrados.
        Para sabermos qual a percentagem de sal branco encontrada num suplemento, basta dividirmos
        a concentração de sódio (em gramas / kg) por 3,6 (uma vez que sal branco apresenta
        36% de sódio em sua composição).

     - Ingestão insuficiente da mistura: se bem balanceado, problemas de baixa ingestão do suplemento mineral,
        normalmente, estão relacionados aos cochos da propriedade. O cocho de sal deve sempre ficar
        próximo ao malhadouro dos animais (local escolhido pelo lote para descanso) e próximo
        à água, preferencialmente cobertos (o sal é extremamente higroscópico, podendo empedrar e reduzir o consumo
        do suplemento), com altura adequada para a categoria animal a ser suplementada e, o mais
        importante, ter uma disponibilidade mínima para que todos os animais tenham acesso ao produto.
        Na tabela a seguir é demostrada a metragem mínima necessária para um bom desenvolvimento animal:


Disponibilidade mínima de cocho necessária para um adequado consumo de suplementos minerais.

Disponibilidade mínima de cocho necessária para um adequado consumo de suplementos minerais

Conforme demostrado na tabela acima, há diferentes classificações de produtos, de acordo com a sua composição. Isto existe e tem fundamento uma vez que as regiões tropicais apresentam uma grande variação de fotoperíodo e temperatura, além da estacionalidade de chuvas, não permitindo uma produção uniforme de forragem ao longo do ano. A taxa de crescimento, bem como a qualidade do pasto é alta no verão, intermediária na primavera / outono e baixa no inverno.

Na estação seca do ano, devido a uma queda na percentagem de proteína e um aumento na proporção de fibra do capim, os animais reduzem o consumo de pasto, deixando de ganhar peso (efeito boi sanfona). Para evitar esta situação, o pecuarista pode lançar mão de suplementos alimentares, adicionados às misturas minerais que são utilizadas, predominantemente, no período das águas.

Este tipo de suplementação visa a um melhor desempenho dos animais, resultando em aumento de ganho de peso e redução de idade ao abate / primeira inseminação. Neste caso a escolha do suplemento alimentar deve ser criteriosa e seguida de análise de viabilidade econômica, evitando prejuízos devido à má escolha da suplementação. Vale a pena ressaltar que todas as classificações de produtos demostradas a seguir apresentam todos os minerais necessários para um bom desenvolvimento animal, não sendo necessária a suplementação extra de qualquer tipo de mistura mineral.

     - Sal Mineral Ureado: trata-se de um sal mineral enriquecido com ureia pecuária. O objetivo deste produto
        é a manutenção de peso durante o período seco do ano. Pode ser utilizado em todas as categorias
        animais, exceto bezerros muito jovens.

     - Sal Mineral Proteico: um suplemento mineral enriquecido com fontes de proteína verdadeira (farelos) e ureia
        pecuária. O proteinado é uma forma econômica de obter moderados ganhos de peso durante
        a seca. Apresenta como vantagem a possibilidade de ser enriquecido com aditivos melhoradores
        de desempenho como ionóforos e probióticos.

     - Sal Mineral Proteico Energético: uma mistura balanceada para atender a exigência de mineral, introduzindo
        no sistema fontes de proteína (farelos e ureia) e de energia (milho ou subprodutos).
        O objetivo é máximo desempenho a pasto, inclusive em sistema de semiconfinamento. Também
        apresenta a possibilidade de ser enriquecido com aditivos.

O desempenho de animais a pasto depende de uma série de fatores como: quantidade de forragem ingerida, qualidade desta forragem, sanidade, clima, raça, teores de proteína, energia e minerais, dentre outros. Se um destes fatores for oferecido em proporção menor que os outros, o desempenho será prejudicado (lei do mínimo). Assim sendo, a suplementação mineral ao longo de todo o ano, bem como a suplementação estratégica (proteica ou proteica energética) em determinadas fases do ciclo, é fundamental para obtenção de uma pecuária produtiva e rentável ao pecuarista. Sempre que possível, devemos procurar um profissional do ramo ou empresas de nutrição que prestam este serviço para ajuda na tomada de decisão. São pequenos detalhes que fazem a grande diferença.

« Voltar para Home



MAIS NOTÍCIAS

23.07.2016
A Produquímica na revista Hydro


20.07.2016
Programa Supera é destaque na gazeta MT


05.07.2016
Lançamentos NutriExperts


05.07.2016
Pós-evento NutriExperts


30.06.2016
Programa SUPERA JÁ NASCE CAMPEÃO


16.05.2016
Produquímica no Painel Florestal


13.04.2016
Produquímica e Compass Minerals unem


31.03.2016
A Produquímica aposta na parceria e apresenta


14.03.2016
Produquímica firma parceria com Abiclor


17.12.2015
Produquímica fecha parceria com Compass Minerals


06.03.2015
Produquímica firma parceria com o CESB


26.08.2014
Produquímica inaugura fábricas regionais e se aproxima ainda mais dos pecuaristas


26.08.2014
Produquímica inaugura fábrica em Uberlândia e se aproxima ainda mais dos pecuaristas


26.08.2014
Produquímica inaugura fábrica em Presidente Venceslau e se aproxima ainda mais dos pecuaristas


12.06.2014
Importância da Suplementação Mineral no Mato Grosso do Sul


02.06.2014
“A suplementação deve ser feita sem interrupções”, defende zootecnista


16.04.2014
Relação entre susceptibilidade a pragas e doenças e estado nutricional das plantas


01.04.2014
Com o confinamento em alta, pecuaristas devem se preocupar com desafios sanitários


27.03.2014
Produquímica participa pela primeira vez da GranExpoNorte e Brasil Papaya Fest


27.02.2014
Produquímica participa da Expodireto Cotrijal para ampliar vendas em 30%


18.02.2014
A necessidade do aumento da eficiência na fertilização para atingir maiores produtividades


12.02.2014
Sistema da Produquímica auxilia no tratamento de esgoto e no combate preciso aos odores


11.02.2014
Suplementação Mineral para Bovinos Leiteiros a Pasto


10.02.2014
Parceria entre Produquímica e RR Agroflorestal busca um aumento na lucratividade florestal


04.02.2014
Orquídeas exigem cuidados especiais


28.01.2014
A importância da suplementação mineral


23.01.2014
Produquímica irá oferecer condições especiais para antecipar 70% das vendas durante a BelaSafra 2014


21.01.2014
07 dicas da Dona Flor para você ter um jardim mais bonito



Webmail
Contato:
  • +55 11 3016-9600
  • 0800 702 5656
Copyright © 2013 - Produquímica - Todos os direitos reservados